domingo, 26 de fevereiro de 2017

Seriados sobre política que de House of Cards não tem nada (mas que são muito bons)

Por Rafael Perich

Pensei sobre como fazer esse post durante essa semana, nos meus últimos comentários por aqui tenho levado o papo para um lado academicista, o que no decorrer do tempo pode ficar chato, repetitivo, então resolvi mesclar as coisas... Por isso vou indicar e comentar três seriados muito bons que estão ativos, vamos lá!


O primeiro da lista é maravilhoso, principalmente pra quem gosta de relações internacionais, diplomacia, etc. Téa Leoni como Elizabeth McCord é a primeira secretária dos Estados Unidos, está na sua terceira temporada e conta com doses de drama e política, típica de corredores da casa branca. Além de Téa, temos atores como Tim Daly (Henry McCord) e Željko Ivanek (Russel Jackson) que fazem papéis fenomenais, com o primeiro atuando como marido de Elizabeth, professor de teologia e estrategista do FBI (especializado no oriente médio), enquanto o segundo faz o papel de chefe de gabinete do presidente, mostrando o pragmatismo em questões que podem abalar a imagem de seu chefe. Recomendo "Madam Secretary" (CBS) em primeiro lugar dessa lista, um daqueles bons seriados de 40 minutos para quem gosta de política e diplomacia.


A segunda série se chama "The Crown", com produção da Netflix, é a história biográfica da família real do Reino Unido. Vencedora do globo de ouro, está em sua primeira temporada.  A série trata a partir do casamento da Rainha Elizabeth II até os dias atuais, com previsão de 60 episódios ao fim de todas temporadas.

Eu não consigo dizer qual ator é melhor, se é Claire Foy como a rainha ou se John Lithgow como Churchill. Claire é espetacular, consegue mostrar o drama de uma rainha inexperiente, não acostumada com politicagem e desafeta inicialmente de certos ritos que a coroa exige. Além disso, os conflitos dentro da família real tornando o ambiente hostil e conflituoso a todo momento, fazendo com que a série mostre dois lados da política daquela região: na casa e no parlamento.
Ao falar do parlamento, John Lithgow consegue fazer Churchill ser admirado, seja pela sua habilidade política, pela sua fragilidade por causa de sua saúde (e da sua idade), ou pela sua capacidade de reação imediata quando todos queriam derrubá-lo.

The Crown é uma série de tirar o fôlego, além de nos fazer entender um pouco melhor como funciona a relação entre o primeiro ministro e sua rainha.


Por último, estando um patamar abaixo dos dois primeiros, Marseille foi a primeira aposta francesa da Netflix. Contando com o espetacular Gérard Depardieu como Robert Taro, um velho presidente da câmara de Marseille, que está passando o bastão para Lucas Barres (Benoit Magimel). O seriado trata da relação entre o novo e o velho na política, entre a inovação e o clássico, com ambas repletas de corrupção. Uma série boa, porém com uma duração extensa, 52 minutos por episódio acabam levando a uma sensação de estafa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário